Entrevista com o volante Naldo, da Ponte Preta

Marinaldo dos Santos Oliveira nasceu no dia 13 de maio de 1990 na cidade de Maitinga-BA. Sendo revelado no Vitória da Conquista-BA e tendo passagens por Atlético-PR, Joinville e Volta Redonda. Atualmente está na Ponte Preta. Conhecido e reconhecido pela boa marcação e por sua finalização.

 

1- Nasceu no dia 13 de maio de 1990 na cidade de Maitinga-BA. Foi revelado no Vitória da Conquista. Como foi a experiência de iniciar sua trajetória em um clube de seu estado? Conta-nos sobre o atual momento do clube?

R: Foi uma experiência muito boa, lá que começou a minha carreira. Um clube pequeno, mas com vitrine boa para quem quer começar na base e pegar experiência no profissional. Hoje o clube disputa Série D, campeonato baiano e Copa do Brasil.

 

2- Depois foi para o Volta Redonda. Como é atuar em um clube menor do Rio de Janeiro? O Voltaço tem condições de subir de divisão nos próximos anos?

R: Depois tive a oportunidade de disputar o Campeonato Carioca pelo Voltaço onde tive a oportunidade de fazer um bom campeonato, hoje o voltaço tem sim condições de subir de série e eu torço muito por isso Clube organizado, paga em dia e as condições de trabalho são boas. Graças ao campeonato carioca tive a oportunidade de ir para um clube maior de expressão.

Foto: CR Flamengo.

 

3- Em 2012 chegou ao Clube Atlético Paranaense. Por quais motivos não conseguiu ter sequência no elenco? Descreva a torcida e a estrutura da equipe?

R: O Atlético Paranaense foi onde joguei pouco e não tive muitas oportunidades porque eu machucava muito, não consegui ter uma sequência de jogos por lesões, contudo a torcida apoia o jogo todo. Foi muito importante para todos os jogadores que manteve um pacto dentro de campo pra subir o time pra série A e graças a Deus fomos coroados com o acesso a elite. A estrutura é magnífica não falta nada é completo na minha opinião é a melhor estrutura do Brasil. O clube foi muito bom para mim peguei muita experiência cresci muito como jogador e ser humano fiquei quase dois anos lá tive que sair por não ter sequência e por machucar muito.

 

4- No Joinville foi onde conquistou um espaço maior no cenário nacional. Consideras como sua segunda casa? Por que o JEC não conseguiu o acesso à Série B do Nacional? Quais foram os principais momentos no time?

R: O Joinville foi um time que se tenho tudo o que tenho hoje devo muito ao coelho, tive os melhores momentos da minha carreira, fui campeão da Série B, campeão estadual fui 3 vezes o melhor volante do catarinense, foi lá onde construí a minha família onde cresci muito como profissional, fui reconhecido por todos. Tenho um carinho pela torcida pelo clube, é sim a minha segunda casa. Lá tive os momentos bons e ruins também onde subimos pra Série A e no ano seguinte caímos para a Série B. Na Série B não conseguimos dar uma sequência boa no campeonato, muitas coisas que não conspirava ao nosso favor nada dava certo infelizmente. Porém fiz parte dos principais momentos no clube, o acesso a Série A, também chegar em três finais estaduais e ser campeão da Série B, além de ser reconhecido.

Foto: Fabio Leoni/Ponte Preta.

 

5- Nesse ano chegou a Ponte Preta. Quais é o planejamento para a equipe e para você em 2017? No próximo ano continuará na equipe?

R: Hoje na ponte tenho muitos planos, o primeiro era dar um título, infelizmente no paulista fomos vice, hoje estamos focados no brasileiro para a macaca permanecer na elite  não podemos pensar em outra coisa e sim a permanência na Série A. Ainda tem dois meses de contrato com a Ponte vamos esperar em Deus se eu não renovar aqui, espero arrumar um time tão bom quanto a Macaca para dar continuidade a minha carreira. Gostei muito da Ponte de jogar o campeonato paulista, mas o futuro entrego nas mãos de Deus.

 

6- O volante é uma posição crucial, tanto na parte da cobertura defensiva, como na parte da surpresa ofensivamente, o chamado volante moderno. Qual é o aprendizado a ser passado para esta nova geração de volantes que está se formando no país?

R: No começo da minha carreira fui zagueiro e sou zagueiro de origem, mudei minha posição no Joinville e graças a Deus está dando certo e eu gosto muito de jogar, é uma posição que exige muito do preparo físico, porque você tem que marcar, tem que atacar, tem que ajudar os laterais, os zagueiros e às vezes chega no ataque. Hoje os volantes tem que estar muito bem fisicamente para suportar os 90 minutos. Eu sempre me cuidei, sempre me dediquei na parte física, os treinos intensos para quando chegar no campo fazer um bom trabalho e sair do jogo de cabeça erguida “dei o meu melhor“.

Foto: AA Ponte Preta.

 

7- Diga-nos um sonho que ainda não realizou no futebol, e achas que ainda tem condições de realizar até o fim de sua carreira?

R: Eu sempre tive vários sonhos um deles se realizou, ser um jogador de futebol, ser exemplo pra minha família, para pequena cidade Maetinga- BA, mas eu sonho todo dia, sempre tem algo a mais pra dar, para se realizar, ainda quero muito ser campeão Brasileiro da Série A e campeão da libertadores são alguns sonhos que com fé em Deus vou realizar.

 

8- Uma mensagem para os leitores e colunistas do site ?

R: Obrigado a todos do site por abrir as portas para conhecer um pouco da minha história, grande abraço a todos.

Foto: Fabio Leoni/Ponte Preta.

 

Deixe seu comentário:

Jean Lucas

Criador do site Mercado do Futebol, jornalista em busca de aprimorar-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.