Aranha teve atuação impecável e garantiu a vitória da Ponte Preta sobre o Corinthians, em Campinas.

Ponte Preta e Corinthians se enfrentaram no Moisés Lucarelli. As duas equipes jogaram a partida em um estado de muita tensão, mas em contextos distintos. O time visitante foi à campo pressionado, pois viu o Palmeiras encostar e na próxima rodada, ocorrerá o confronto direto em Itaquera. Já a Ponte Preta, estava há 4 rodadas sem vencer, até enfrentar o Corinthians e conseguir um grande resultado pela 31 rodada do Brasileirão.

Sobre o jogo 

O primeiro tempo foi bem equilibrado, as duas não se atiraram muito em busca do gol. As melhores chances foram da equipe visitante, a primeira pelo alto: Rodriguinho tabelou com Fágner, o lateral cruzou, e Pablo cabeceou para fora, o zagueiro tomou a frente de Jô que estava em uma posição melhor para cabecear, mas desperdiçou a chance. Aos 26 minutos, a Ponte respondeu: Nino Paraíba levantou na área, Rodrigo cabeceou sozinho(estava em posição irregular, não flagrado pelo bandeira), mas não conseguiu vencer o Cássio que fez uma ótima defesa. Aos 33 minutos, o Corinthians assustava novamente, Gabriel disparou de fora da área, Aranha fez a defesa – a primeira de muitas que iriam garantir a vitória ponte pretana – no rebote, Rodriguinho bateu para o meio achando Gabriel que finalizou no travessão. Mais uma chance clara perdida da equipe visitante. Aos 39 minutos, a Ponte Preta foi mais eficiente, e Lucca abriu o placar, foi o seu segundo gol em seu ex-time no ano. Gol importante para a macaca que desceu para o intervalo com a vantagem no placar diante de um primeiro tempo bem equilibrado. Na segunda etapa, não satisfeito com o resultado, na qual dava margem para o Palmeiras encurtar a distância para 3 pontos, Carille colocou Clayson no lugar do volante Gabriel, deixando a equipe mais ofensiva para enfrentar uma Ponte Preta que iria se defender durante toda a segunda etapa e explorar os contra-ataques se tivesse oportunidade. A equipe visitante não fez um segundo tempo excepcional, novamente, grande parte do time esteve abaixo, apenas Clayson que entrou no segundo tempo – algo rotineiro – teve um desempenho melhor. Inclusive, o atacante chegou a discutir com Jadson, pois o camisa 25 sofreu uma falta perigosa e pediu para bater, no entanto o cobrador oficial, Jadson, não o deixou. Lance que despertou muito ira no atleta. Carille justificou a manutenção de Jadson na equipe mesmo com o desempenho pífio, justamente, pelo fato do jogador poder decidir em uma bola parada. No entanto, o camisa 10 ainda não marcou nenhum gol de falta esse ano, e mesmo assim não cedeu a falta para o Clayson. Kazim e Pedrinho (que ganhou uma chance novamente, após retornar de lesão) entraram nos lugares de Maycon e Romero respectivamente, e os dois viram o Aranha defender duas cabeçadas, uma de Pablo aos 43, e outra de Jô no penúltimo lance da partida, uma defesa mais difícil que a outra. Mesmo com mais uma atuação abaixo, a equipe criou chances para não sair derrotada, mas parou no goleiro Aranha que teve uma tarde maravilhosa, e garantiu a Ponte Preta viva contra a briga na parte de baixo.

O goleiro ainda pegou no pé da torcida que gritava o seu nome ao final da partida. Devido a um episódio que ocorreu após a derrota contra a Chapecoense, muitos jogadores quase foram vítimas de agressão, inclusive, o goleiro. O autor do gol da Ponte Preta, Lucca, no jogo de hoje, não comemorou o gol, por conta desse acontecimento.

Deixe seu comentário:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.