Mercado do Futebol

Entrevista com o goleiro Daniel Martins, do Nacional da Madeira (Portugal)

Foto: Geraldo Bertanha/Mogi Mirim.
Daniel Martins Guimarães nasceu no dia 18 de abril de 1987 na cidade de Timóteo-MG. Foi revelado pelo América Mineiro e possui passagens por Ponte Preta e América-RN. Atualmente está no Nacional da Madeira (Portugal). Conhecido e reconhecido pela sua segurança nas defesas

 

1- Como surgiu seu interesse pelo futebol e quando você viu que poderia seguir essa carreira? Quem foram seus principais incentivadores nessa jornada?

 

R: Bom. Meus pais me incentivaram muito, desde pequeno a fazer esporte. Ao começar na escolinha, vi que meu tio Márcio, tinha uma luva linda. Pedi a ele pra poder usá-la e a partir dali, com incentivo dos meus pais, continuei minha carreira. Os principais incentivadores foram meus pais, e uma pessoa chamada de Tal. Ele foi meu primeiro treinador de goleiro, me ensinou a base pra poder sair da escolinha e ir pra meu primeiro time profissional.

 

2- Nasceu no dia 18 de abril de 1987 na cidade de Timóteo-MG. Sendo revelado pelo América Mineiro, quais foram os principais ensinamento da base? Como foi atuar com a camisa do clube? Fale sobre o atual momento da equipe?

 

R: Foi um prazer fazer minha base pelo América. O América tem uma fama grande em revelar atletas para o Futebol, e eu pude ser um deles com muito orgulho. Atuei pouco com a camisa do clube profissionalmente. Atuei mais pela base.

Foto: Nacional da Madeira (Portugal).

 

3- No Mogi Mirim atuou por seis anos, conte-nos sobre sua passagem pela equipe? Como vês o rebaixamento e a falta de recursos no Sapo? O que poderia dizer de positivo sobre o clube?

 

R: Devo minha carreira praticamente ao Mogi Mirim. Em 2010 sofri uma lesão, e fui operado pelo América, mas como no ano de 2010 tinha sido emprestado ao Mogi e fui bem, eu já tinha um preço contrato com o Mogi Mirim. Mesmo operado o Mogi me abriu as portas, e foi a partir dali que comecei a despontar para o futebol. Fiz mais de 100 partidas pelo Mogi, tenho um carinho muito grande pelo clube, infelizmente o clube caiu em mãos de pessoas que não conseguiram gerir o clube como antes, na época de Wilson de Barros e Wilson Bonetti. Na minha época Mogi tinha umas das melhores estruturas do interior de São Paulo, hoje já não posso falar porque já se passaram 2 anos da minha saída. Muita gratidão pelo Mogi Mirim.

 

4- Em 2013 e 2014 chegou a Ponte Preta, onde não teve tanta sequência, aponte a motivação para que conseguisse muitos jogos pelo time? Discorra sobre a estrutura e a torcida pontepretana?

 

R: Enfim cheguei em um time da série A, e muito satisfeito. Ponte Preta foi o ponto alto da minha carreira até agora. Estrutura impecável, time muito organizado, e com ótima gerência. Em dois anos fiz poucos jogos, pelo motivo de já ter goleiros experientes na minha frente, como Roberto Volpato e Edson Bastos. Mas apesar de não ter jogado muito peguei bagagem e experiência, e hoje posso ajudar muitos garotos que estão chegando da base. Como me ajudaram lá traz, hoje posso fazer o mesmo por eles.

 

5- Nas últimas temporadas atuou por América de Natal e Red Bull Brasil, fale sobre sua passagem por ambas as equipes? Existem diferentes em vestir a camisa de um grande do Nordeste e um time empresa de São Paulo?

 

R: Sim, atuei pelo América de Natal e pelo Red Bull. São clubes distintos, América de Natal tem torcida e respeito muito a instituição. Mas o Red Bull apesar de ser novo, tem coisa que quase nenhuma equipe do Brasil não tem. Estrutura e respeito ao Atleta. Um ano conturbado que passei pelo América, como a minha nova lesão, e o Red Bull com seus funcionários e toda a estrutura, pode me ajudar na recuperação e ainda conseguir jogar no ano de 2017. Mais uma vez agradeço a uma equipe que me resgatou para o futebol.

 

6- Este ano conseguiu a primeira oportunidade fora do Brasil. O Nacional da Madeira, de Portugal, sendo titular, para você quais as suas perspectivas para a temporada tanto pessoalmente, como para o time?

 

R: Esse ano fui coroado com essa oportunidade para falar a verdade nunca tinha pensado que conseguiria uma oportunidade pra fora do Brasil, mas para minha surpresa esse dia chegou. Foi uma das melhores escolhas que pude fazer no futebol. Jogar aqui em Portugal, é muito bom. Novamente estou vendo o respeito ao atleta, a sua família. Quando perde, claro que vem as cobranças isso é normal, mas nada de desrespeito, e assim pode ter certeza que faz toda a diferença. Meu objetivo é subir essa equipe, Nacional merece estar na primeira liga, jogando com os grandes no maior campeonato de Portugal. Minha missão é essa, e nosso grupo está totalmente focado em colocar o Nacional no lugar que nunca deveria ter saído.

 

7- O goleiro é uma posição muito diferenciada no futebol. Se acertar, é ídolo, mas se errar é julgado. O que teria para falar a nova geração de arqueiros formados no país? Como é ser goleiro atualmente?

 

R: Sim, ser goleiro é ser diferente. Para mim existe o jogador de futebol e os Goleiros. Um treinador de goleiros uma vez me disse, que ser goleiro é uma arte. É o primeiro a entrar no campo e o último a sair, sempre tive isso comigo. Goleiro tem que te regularidade, ser dedicado e comprometido com a profissão, se atualizar sempre. Tem que estar bem treinado e suportar tudo que é tipo de expressão. Eu já tenho 30 anos, e sempre achei que quando tivesse essa idade seria diferente. Mas pura mentira, ainda sinto o frio na barriga, só entrar me campo, mas claro, hoje com mais maturidade. Uma coisa que tenho a dizer aos nossos guarda redes do Brasil joguem com os pés. É tendência, e cada vez mais o futebol vai pedir que o goleiro jogue com os pés, mas sempre saiba separar. Nunca esqueça de ser goleiro. Ser goleiro nunca foi fácil, e sempre terá um peso amais sobre qualquer outra área. Afinal ser goleiro é uma arte!

 

8- Uma mensagem aos colunistas e leitores do site mercadodofutebol.net.br?

 

R: Agradeço a oportunidade que vocês estão me dando pra poder falar um pouco da minha carreira. Não foi fácil, mas pode ter certeza que vale cada segundo. Futebol passa muito rápido, então aproveite o máximo que puder. Viva o futebol intensamente. Se você tem o dom, faça valer a pena. Ajude quem sempre te ajudou, e nunca se esqueça da sua família. É a base de tudo!

Foto: América de Natal.

 

Deixe seu comentário:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.