Herói da semi-final, César celebra vaga para as finais “muito mais que eu poderia imaginar”

A noite desta quinta-feira (30) ficará marcada na cabeça de todos os rubro-negros com uma classificação cheia de emoções e heróis improváveis. No inicio do ano nenhum flamenguista falaria que César, quarto goleiro do Flamengo, iria ser titular na final da Sul-Americana e ajudar classificar o time para as finais, porém o arqueiro assumiu o lugar de Muralha para se tornar o herói da noite.

Após a partida César comentou sobre a classificação:

“Com certeza não dava para imaginar. Eu só queria fazer meu melhor. Estávamos confiantes que a vitória viria, e se eu passasse despercebido, já ficava feliz. Foi muito mais que eu poderia imaginar.”

Durante a partida o goleiro sentiu o drama de não disputar uma partida oficial há dois anos, com diversas cãibras. Mesmo treinando todos os dias, afirmou que a adrenalina do jogo é diferente. Estrategicamente evitou bater tiros de metas e preferiu repor a bola com as mãos. Também relatou as dores que sentia:

“Puxou muito minha perna na hora do tiro de meta. Quando bati uma ou duas bolas, começou a murchar e foi insustentável.”

Em entrevista, César comentou sobre sua primeira defesa na partida, afirmando que foi muito importante para dar confiança.

Sempre colocamos na cabeça que a primeira bola pode ser decisiva, mas ele me passou algo que eu também tinha pensado durante essa semana. A primeira bola eu tanto poderia ter acertado como errado, e isso não poderia ter influenciado meu jogo. Logicamente, aquela defesa me motivou muito. Me deu confiança.“, o goleiro também ressaltou:  “Mas eu tinha em meu coração que independentemente de acertar ou errar, eu precisaria me manter sereno para continuar a partida. Graças a deus fui coroado com uma boa defesa logo no início e com certeza isso me deu mais confiança.

César fez diversas defesas importantes e demostrou segurança no gol Rubro-Negro durante a partida. E como prêmio pela boa atuação, aos 43 minutos defendeu o pênalti que poderia por fogo na partida, coroando o seu desempenho na partida. O goleiro comentou sobre a sensação e o preparo para defender o pênalti batido por Chará.

“É marcante. Com certeza, essa defesa será lembrada sempre por mim. Mas também tive muita ajuda da equipe técnica, que me mostrou as cobranças deles. O Chará tinha batido três pênaltis ali e converteu. Tive a felicidade de aguardar, ir para o canto certo e fazer a defesa”.

 

 

 

Deixe seu comentário:

Aquiles Savio

Estudante de Jornalismo e flamenguista. Insta: @aquiles.savio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.